Manejo Integrado de Vegetação (MIV) em Faixa de Paisagem de Linha de Transmissão – Projeto Piloto

 

Equipe: CGTI, Cemig, Dow AgroSciences, B&M Pesquisa e Desenvolvimento

Ideia: Uma nova metodologia de manejo de vegetação para linhas de transmissão ou distribuição como alternativa ao processo mecanizado, inviável para terrenos com dificuldade de acesso em função da topografia.

Inovação: Um processo inovador no Brasil foi desenvolvido pela equipe do projeto com a aplicação de herbicidas para eliminação e controle da vegetação de grande porte que oferece riscos ao funcionamento adequado de linhas de transmissão e distribuição.

Diferenciais:

Econômicos:

– Redução dos custos na limpeza de faixas de vegetação nas áreas de linha de transmissão ou distribuição em comparação ao processo de manejo de vegetação mecanizado ou manual;

– Prevenção de quedas de energia por desligamentos indevidos de linhas de transmissão, causados pela interferência de árvores de grande porte;

– Redução da contratação de mão-de-obra para execução do controle de vegetação;

– Evita multas em decorrência dos desligamentos indevidos.

Sustentáveis

Preserva espécies de vegetação de menor porte e nativas e animais dos locais onde é aplicado o MIV;

Uso controlado de herbicidas, não causando prejuízos ao meio ambiente;

– O controle de árvores de grande porte favorece a maior biodiversidade local por permitir a entrada de luz no solo, que estimula o desenvolvimento e manutenção das plantas de pequeno porte, as quais são abrigo e alimentação de animais;

– Evita a erosão de solo pela preservação da vegetação.

 

Principais resultados

–  Desenvolvimento da Spin-off Biochess que comercializa o serviço em escala;

– Uso de maneira controlada e sem agressão ao meio ambiente de herbicidas regulamentados por órgãos nacionais;  

– Técnicas seguras de aplicação de herbicidas para atingir somente as espécies alvos;

– A metodologia inovadora foi apresentada em conferências, seminários e congressos;

– Aplicação de herbicidas utilizando as técnicas foliar, basal e toco, de acordo com a altura das árvores;

– Demonstração que o uso de forma controlada de herbicidas não causa dano ao meio ambiente e promove a biodiversidade;

– Produto atende as diretrizes da ANVISA, IBAMA e Ministério da Agricultura.